quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Quem dera...



Celia Pires


Quem dera a gente encontrasse no meio do caminho um ser inteiro e não pela metade.
Um alguém que tivesse coragem de não se ocultar de si mesmo
Que não se sentisse constrangido por alguém lhe declarar amor.
Que acha e pensa que amor é algo efêmero e quer que o outro entenda que isto (do amor viver apenas uma temporada) é suficientemente claro e racional e que um pedido de desculpas abranda a dor do engano.
Quem dera tivéssemos o dom de perceber que ao invés da flor nos oferecem espinhos travestidos de gentil carinho, sem medo de machucarem o ser cativado e sangrá-lo até o âmago de seu ser!
Quem dera pudéssemos nos jardins do coração colher das rosas apenas suas macias pétalas, apenas suas macias pétalas....

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Marcos Nigro







Os olhos amendoados, mas profundos, 'dançam' num leve estrabismo.Olhos que parecem ver além do além,
Como se percrustassem o insondável
O movimento da vida sendo lido sem que saia do lugar. Só com o olhar...traçando marcos...
Observando marcas...
Parece percorrer trilhas emocionais sem medo de ser atropelado por locomotivas de angústias alheias,
Nos deixa a impressão pela expressão que ao mínimo gesto poderá destravar trancas abrindo portas. Soltar feras enjauladas.
Quem será este homem belo?
Pleno.
Plural.
Singular.
Será que é um poderoso mago capaz de praticar uma das mais poderosas artes que é a de tentar curar as almas dessa grande e louca locomotiva que é a vida?
O prenúncio de um leve e confortador sorriso que se forma em sua bela face nos convida a ficar... Fascinados,desarmados,
Embarcamos na sua estação...









Obra de Marcelo accarini









*Marcos Nigro é psiquiatra

Antunes Filho, o velho mestre do teatro






"Antunes Filho, o velho mestre do teatro"

De discípulo a mestre.
O teatro sempre um meio. Não um fim...
Mas no tribunal de si mesmo
O veredicto:não quer ser somente fruta madura ou
o velho mestre ‘gestando’novos ‘senhores’ do palco. Absolutamente absolutos!
Quer ser sempre semente.Pronta para recomeçar...
Não quer ser sempre pai.
Quer também ser filho.
Antunes Filho...












Obra de Marcelo Accarini




sábado, 26 de novembro de 2011

Não posso matar um leão por dia





Célia Pires
A cada dia tenho que acalentá-lo.
Faze-lo entender que a lei da selva nem sempre é possível e passível de ser aplicada. Que é preciso cuidado, pois hoje a seleção da espécie não é mais natural e sim artificial, recriada de acordo com interesses muitas vezes mundanos.
Vou aos poucos o ensinando a caminhar na selva, a dar um passo de cada vez e não se lançar às coisas como um predador. É preciso cautela, pois nem sempre a caça é saborosa.Muitas vezes o frango está travestido de pavão!
Vou o orientando a olhar em volta, pois quase sempre a floresta possui armadilhas escondidas e árvores ocas que podem tombar a qualquer momento sobre nós e nem perceber o estrago que fez em nossas vidas.
Vou mostrando que na vida é possível amar e crescer sem dor.
Muitas vezes ele me escapa ao controle e ruge para aqueles que teimam em feri-lo. Difícil explicar e faze-lo entender que as armas podem ser outras. Difícil, mas não impossível.
A cada dia é preciso protegê-lo, muitas vezes de si mesmo. Todo mundo cresceu ouvindo dizer que é preciso matar um leão um por dia. Ando na contramão da história. Ao contrário de todos, tenho que doma-lo. Por uma única e simples razão: na cova dos leões eu sou o ‘LEÃO’!
Eu sou um ‘Leão’!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Cabeça






Célia Pires




Olha-se no espelho da alma. O que vê não o agrada.
Uma figura patética, deformada pelas vicissitudes da vida.
Quais pintores do destino teriam pintado para ele um quadro de cabeça pra baixo? Não se lembra de ter pousado para ser retratado com pasta grossa de ressentimentos fazendo com que existisse uma cabeça dentro de outra cabeça. Mas ele não era esse ser deformado, trágico e sombrio. As vozes dentro de sua cabeça dizem que não.
Pergunta-se que quem teria misturado as cores, borrado o verde da esperança e diluído o azul dos seus sonhos e ideal?Quem teria roubado de se as cores do mistério e da fantasia?
O que o teria levado a ser esse ser patético, medroso, lançado à solidão, à miséria humana? A uma vida sem pé nem cabeça?
Queria ser o ‘cabeça daquela situação. Queria ser pintado com cores suaves, reais. Sem dor de cabeça. Sem explosões de cores sombrias
Lembra-se de uma velha frase: sua cabeça , sua sentença.
Em desespero roga aos céus que as mãos dos pintores do destino o pintem sem utilizarem tintas ásperas que lhe arranham a tela da alma provocando dores, afastando, os afetos, os amores e que removam essa grossa casa que deforma seu ser.
Decidido a mudar o quadro de sua vida deixa-se pintar.Aos poucos sente o pincel, às vezes a espátula num vai e vem, fazendo e refazendo, desempastando, de forma suave, mas intensamente apaixonada.
Estranhamente vê que as cores utilizadas são as mesmas. Vai aprendendo que cada cor tem a sua importância.
Impressionado, vê tudo ganhar novo sentido.
De repente, quando decide novamente olhar no espelho da alma para agradecer aos pintores do destino, percebe as mãos carregadas de pincéis e espátulas; Seu sorriso brota cheio de genuína alegria.Havia montado o próprio quebra-cabeça .Não havia pintores do destino. Ele era o autor de sua história, o pintor de sua obra. O pintor de sua obra...






Obra de Marcelo Accarini



Proclamação da República




Lógico que tem horas que é quase inevitável não lançarmos mão de alguns espinhos para nos defender. Tem gente que pede e exige o nosso lado mais sombrio, como se vivesse do veneno do escorpião. Mas cabe somente a nós alimentá-las ou não.
A cada situação adversa, ao invés de espinhos, tenho plantado flores em meu jardim.
Vejo flores em mim : é muito bom conviver com o aroma da fé na gente mesmo, de que podemos sem prejuízo algum nos desviar de farpas, de lanças maldosas, talvez, de pessoas que sempre se julgam vítimas e não olham as próprias atitudes. São ruins de estratégia. Acham-se soberanas. Acima do bem e do mal. Covardes, atacam às escondidas. Faltam a elas a luz do discernimento para clarear uma verdade: a de que passou da hora de conhecerem a liberdade de poder proclamar a própria república e viver uma democracia e na democracia.
O mundo fica tão mais bonito quando plantamos rosas...

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Farol da Barra






Farol da Barra


Imponente.
O eterno apogeu, como uma lança aponta para o céu.
À noite explode em luz
Simplesmente majestoso
Vestindo com seu clarão as sombras
Orientando navegantes
Vigiando sonhos, segredos e tesouros
Dos pescadores entregues ao mar
Dos poetas
De todas as gentes que por ali passa
Inspirando o pintor a retratá-lo com cores mágicas que nos remetem a sensações de calma, de paz, de tormentas e que revelam toda magia do lugar.
Levando-o a traçar um quadro como quem escreve um poema.




Um lindo poema de belos e coloridos versos...









Obra de Marcelo Accarini

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

O dom de ser ponte

O dom de ser ponte


Não é um dom fácil esse de nascer para ser ponte. Viver para unir, para reunir. Unir os desunidos, unir corações.
Muitas vezes as muralhas surgem, perversas, altas, mas a fé da ponte é maior. Na simplicidade ela vence e abre passagens pelas brechas do amor.
Muitas vezes quando já cansada, quando pensa que vai ruir essa mesma fé lhe mostra que, na verdade, muitas vezes um pequeno gesto de amor vale mais do que a vaidade de grandes feitos e que desperta no coração das pessoas a gratidão para sempre.
Sim, não é fácil ser ponte, pois muita gente passa e nem sempre deixa boas marcas.
Mas a ponte, muitas vezes engole o choro e acredita que é muito mais bonito oferecer flores do que espinhos e que quem faz erra algumas vezes, mas quem não faz nada erra constantemente.
Por isso, sem cessar, a ponte continua sua linda missão, não de somente servir, mas de ser o que é: marcar com seu jeito especial de ser a vida das pessoas que por ela passam , pois encontram uma fortaleza, mesmo a ponte estando enfraquecida, encontram uma amiga, mesmo a ponte estando precisando também de um ombro, encontram um a anjo, mesmo a ponte estando precisando de amparo, enfim encontram uma ponte chamado Amor que também pode atender pelo seu nome. Basta você querer...

Homenagem a artista Ana Magnani



Ana

Quando a criatividade ganha personalidade
Quando o simples artesanato vira arte
Quando o mundo de repente se enche de coisas lindas
... De bonecas da infância
De Franciscos, de Antônios, de Pedros, de João
De Todos os Santos, enfim que vai nos trazer a esperança
Quando a história de bailarinas, de fadas, de tantas gentes
De abóboras, berinjelas ganham vida
Quando retalhos contam verdades inteiras e resgatam da história
Quando sapos viram príncipes
Quando peças transformadas em pura arte ganham ares de felicidade genuína
Quando dá vontade de se jogar naquela almofada escandalosamente colorida, com ‘sabor’ de maciez e leve caricia
Quando a vida é muito mais do que impressões fotográficas
Quando a cidade ganha doces fragrâncias de infância, de boulevard e ate da casa da vovó
Quando a ternura, a meiguice, o talento são transpostos nos bordados
Quando das janelas de Araraquara
Surge um ser encantado e encantador
É ela, a menina de mãos mágicas, que tece lindos tesouros que nos aquece a alma de tão belos.
É ela a mulher, cheia de dengos
E ela a mãe que não descuida das crias.
É ela Ana, essa menina, essa mulher.
Múltipla e ao mesmo tempo única...

quinta-feira, 3 de novembro de 2011

Proibido estacionar onde não haja mornas esperanças






Muitas vezes condenamos as decisões das pessoas por acharmos que com medo de errar e arriscar tomam o caminho mais facil e confortável. Mas,muitas vezes, essas decisões vista através de olhares alheios pode até parecer mais fácil. Ás vezes, embora a gente não queira, por valores morais ou por conta de nossos afetos ...tomamos certo rumo, pois 'respondemos' ou carregamos bagagens que não somente as nossas, de gente que por 'n' motivos dependem da gente,pois nem todo mundo nasce como uma ‘mensagem perfeita’.Há palavras erradas, versos incompletos... Muitas vezes a manutenção do ‘talvez’serve como um lenitivo para que a esperança não morra de vez: Há cura? Sim.Não. Tem vaga? Sim.Não. É triste e cruel não ouvir um talvez...
Você é do tipo que costuma se lembrar de quando acertam com você e dificilmente esquece quando erram? Conta boa essa hein? Então,se todos pensarem assim as coisas não vão mesmo ficar mornas.Altas temperaturas...
Ao longo da vida vamos aprendendo, não sem dor, que nem tudo é preto ou branco.Há nuances de cinza.Que nem tudo é sim ou não e que, graças a Deus existe o talvez!
Nem sempre na vida dá para tomar decisões precisas,mesmo a gente tendo opção de escolha,pois muitas vezes escolhemos ir para a praia num dia de calor e para nosso desencanto chove. Faz frio.
Em tudo,em todos os setores da nossa vida profissional ou emocional não há como viver coisas quentes todos os dias. As coisas consideradas mornas são uma preparação,um descanso para vivenciarmos integralmente os momentos excepcionais, por serem exatamente isso: excepcionais!
Não podemos exigir das pessoas determinadas atitudes que são inerentes à sua personalidade se a gente mesmo reluta em mudar. Estamos sempre proibindo os outros de estacionar. Sim é proibido estacionar, reservado para momentos excepcionais.
Mas digo que se formos querer viver somente momentos excepcionais vai chegar uma hora que, seletivos demais, teremos percorrido milhas e milhas, imaginando com toda a certeza que teremos deixado para trás coisas mornas e sem vida que não nos deixaram marca alguma, pois é do ser humano ser um eterno descontente.
Sem perceber podemos nos transformar no tipo de pessoa que condenamos por terem medo de arriscar, que preferem trilhar sempre o caminho mais seguro. que as impedem de ousar e acrescento de estacionar, deixando de beber no lago das mornas e curativas esperanças.
Não podemos nos esquecer de que cabe a nós o poder da transformação: do ordinário ao sublime,do simples ao extraordinário.
A vida é uma grande aventura com sins,com nãos e com certeza,talvez...e que nem sempre o caminho que parece fácil ao longo do percurso se mostra tão fácil assim...

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Deserto vermelho

























Ela não sabe se vai poder protegê-lo
Desse mundo insano
Louco. Delirante.
Expressionista.
Abstrato.
Desproporcional.
Com desespero
Busca a forma. O ritmo. A luz
Para isso
Quer tingir-se de cores. Saturadas
Artificiais para mostrar o real, deixá-lo nu.
Critica-lo
Mas
Os sentimentos explodem e misturam apreensão. Opressão.
Neuroses.
Depressão
Angustia
Solidão
Permite que vejam
a fratura exposta: fragilidade humana.
Como pode viver num ambiente ameaçado
Industrializado
Onde a tecnologia acaba por modificar os sentimentos dos homens.
Ela não sabe como mostrar ao pequeno um mundo condenado, então magicamente pela primeira vez colore esse que é o filme de sua vida
Tristemente percebe que o deserto é dolorosamente vermelho, mas que amanhã se preciso for, poderá ser de outra cor. De outra cor...

Obra do pintor Marcelo Accarini baseada no filme 'Deserto Vermelho", primeiro filme colorido do cineasta Antonioni
http://www.accarinifinearts.blogspot.com/

Fazenda São Carlos do Pinhal







É do Pinhal
Mas são elas que imperiosas
Imperiais
Balouçam ao vento
Exibindo traços harmônicos
Ritmados
Ardem sob o sol
Leais
Imponentes
Esbanjando proporção
E os traços ‘carvoeiros’
As desnudam
Seculares
Testemunhas
Da história
Guardiãs de todas as memórias
da fazenda
São Carlos
que é do Pinhal,
Nobres súditas, as palmeiras, imperiais...









Obra do pintor Marcelo Accarini



domingo, 23 de outubro de 2011

Ilha Bela

























O barco navega lentamente
Sem pressa
Beijando a superfície de suas águas
Enebriado por receber os doces carinhos de suas ondas sedosas
Indefeso diante de tantos encantos
Ele se derrama em cores
E magicamente se ‘aquarela’para se ofertar a ela, a Ilha Bela...



Obra do pintor Marcelo Accarini


http://www.accarinifinearts.blogspot.com/

Ilha Bela






Encantado com tanta doçura.
Quer prová-la.
Decifrar o seu mistério
Vencendo o mar de carvão
Aporta a embarcação
Liricamente se aproxima
E em êxtase confirma: sua paixão é bela!
Ilha Bela....







Obra do pintor Marcelo Accarini
http://www.accarinifinearts.blogspot.com/















Cristo Redentor







Navega em paz o pescador
Em absoluta leveza.
O barco se distanciando
Em um manso aconchego como o balanço de uma rede.
O pescador avista o Cristo.
E embora distante sente a monumental força Daquele a quem chamam Salvador.E se identifica. Ambos são pescadores: ele,de peixes,O Outro, de almas.
E nessa grata identificação sente que o amor de Cristo se manifesta em braços abertos e o acolhe, redentores...












Obra do pintor Marcelo Accarini

quarta-feira, 12 de outubro de 2011

Dois veleiros







Não mais momento de espera, mas sempre alertas
porque, às vezes, o perigo pode ficar escondido
numa suave brisa, no silêncio
não mais adiar nada para o futuro e
Navegar o presente momento
e estremecer com a caricia das ondas nos cascos castigados pelo tempo
Libertos das ancoras, mas enlaçados pelo amor
Velam-se.
Tornam-se bússolas mutuas os dois veleiros deixando-se
levar deliciosamente pelo mar caminho...pelo caminho do mar...









Obra do pintor Marcelo Accarini

terça-feira, 11 de outubro de 2011

Kelly



Kelly: Guerreira.
Estar despida das vestes não a torna desarmada
Lança sensualidade sem nem ao menos se mover
Quieta
Estática
Tudo acontecendo dentro de si
O olhar de alguém que tenta desenhar seus contornos perde-se em linhas desconexas: os braços parecem virar tentáculos
A face sem olhos mira o quê? Quem?
Os pés não estão prontos para o caminho...
As mãos incompletas para afagar a vida que ora se desenha...
Não olha para lugar algum, além do horizonte de si mesma
E, misericordiosamente, o dono dos olhos que a miram ‘modela’ o modelo
Presenteia- a com cores não para adorna-la, mas para sentir que ele próprio está vivo...











Obra do pintor Marcelo Accarini

domingo, 9 de outubro de 2011

O segredo é não desistir






“A vida sempre foi muito boa comigo! Agradeço por isto.
O segredo é não desistir e acreditar sempre, mas antes vou ali na praia relaxar. Quando voltar te pego de jeito e venço de novo
(Paulo Braccini)





Célia Pires
Quando sentimos a lança da amargura nos perfurar e provocar lancinante dorVem a bênção da cicatriz que cura a ferida, mas deixa a sua marca para aprendermos que podemos vencer a amarguraQuando nos sentimos inferiores, sem adendos suficientes para isso ou para aquilo
Vem a bênção de alguém que nos mostra que não precisamos saber física quântica para sermos sábiosQuando tudo em volta se torna escuridão
Vem a bênção de uma luz e nos mostra que podemos ter brilho próprio. Ser estrela
Quando tudo vira enchente e estamos prestes a nos afogar
A bênção de um milagre nos lança uma bóia de salvação
Quando estamos prestes a ser esmagados por uma locomotiva
A bênção de uma mão acolhedora nos tira do perigoQuando o peito está sufocado,quando as lágrimas teimam em transbordar,quando parece que tudo está irremediavelmente perdido
O guerreiro que mora em nós se coloca a postos e nos mostra que a vida sempre foi boa conosco e que devemos agradecer por isso, pois quando erramos nos é dada a chance de acertar, que podemos sorrir ao invés de chorar, que o segredo é combater o bom combate, acreditar no fluido de vida que nos habita
E sobretudo, nos mostra que podemos descalçar os nossos sapatos, retirarmos todas as máscaras que nos cobrem, molhar nossos pés e até o corpo todo nesse mar chamado fé que existe em cada um de nós.
Esse guerreiro nos convida a mergulhar nesse restaurador e magnífico mar, para que possamos lavar dores, rancores, amarguras, buscar energia para enfrentarmos os dragões diáriosE depois de refeitos podemos dizer à vida que nos desafia com suas armadilhas: “Quando voltar te pego de jeito e venço de novo

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Barco de Pescadores






Alheia ao que ficou para trás a embarcação segue com seus pescadores desafiando o mar.
Vão em busca do sustento
Destemidos!
Só(s)seguindo a intuição
O barco
rasgando cinzentas ondas
Sem bússola
Nem a fúria do vento
Nada os detém
A força para jogar a rede vem de olhos marejados de esperanças,
De braços acolhedores, de lábios doces que os fazem esquecer das muitas vezes em que sofredores quase foram levados para as profundezas do mar
Sim essa força vem do amar
Vem de uma força divina que os livra de serem simples pecadores para serem pescadores, para
serem pescadores... de amor!


Obra do pintor Marcelo Accarini
http://www.accarinifinearts.blogspot.com/

domingo, 2 de outubro de 2011

Barco a carvão























Num mar feito de carvão navega um corajoso barco.
Mostra que existe beleza também em águas plúmbeas.
Que ali também pode se encontrar a felicidade. Basta mergulhar em desconhecida profundidade...
Assim, com a ancora recolhida, nada importa à pequena embarcação, a não ser atravessar suavemente as linhas carvoeiras traçadas com luz e sombra...


Obra do pintor Marcelo Accarini
http://www.accarinifineartes.blogspot.com/





segunda-feira, 26 de setembro de 2011

Declaração





Famintos,meus olhos querem saciar a imensa fome de te ver
Bandida, quero aprisionar-te,retê-lo estreitá-los em meus braços
nem ser for por fugazes instantes!
Ansiosas,minhas mãos querem acarinhar-te ternamente,percorrer traços. Demoradamente...
Traduzir esse profundo sentimento, primeiro em muitos,
depois em todos.Todos os beijos gulosos de ti...

domingo, 25 de setembro de 2011

Piracicaba

Absolutamente encantado e
enamorado pela ‘noiva da colina’
o artista ‘’pira’ com sua rara beleza
E a retrata de todas as formas, até com carvão para mostrar que ela é uma paixão, seu amor.
Fascinação...











Obra do pintor Marcelo Accarini



Mônaco








Os lápis de variadas cores traçam fortemente os contornos do barco que navega deliciosamente por paragens estrangeiras. Toques de nanquim completam a viagem, mas o barco mansamente singra em busca de luz.
‘Mediterraneamente’ avança sob as ondas suaves, como que embalado numa preguiçosa rede.
Mas não quer ser um nobre no Principado.
Não quer ser um senhor de Mônaco.
Plebeu, pode percorrer seu ‘corpo mignon’, suas costas macias com total liberdade. E beber sofregamente, prazerosamente de tanta beleza!
E fazer com que sua doce essência suplante o salgado do mar... de Mônaco.












Obra do pintor Marcelo Accarini




Fazenda Santa Gertrudes

Reduto de pioneirismos.
De prosperidade
Ali tudo ‘cheira’ à história que pode ser sentida nas instalações, nos objetos
Na pretérita riqueza provinda do café, das ilustres visitas
No valioso patrimônio documental e humano
No suor escorrido de homens, escravos e depois imigrantes, que tinham em comum um sonho: de liberdade e conquista. Conquista da liberdade!
Hoje,a beleza está intacta,mas em seu solo não mais café, mas canaviais
O ‘templo’continua guardando os tesouros históricos e gente de toda parte pode beber da fonte e partilhar da rica história da Fazenda que homenageia uma mulher e uma santa batizadas com o mesmo nome:Gertrudes!


Obra do pintor Marcelo Accarini
www.accarinifinearts.blogspot.com

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Marlene...






Quem disse que não existe fada é por que não conhece esse ser feito de mar, de sol, de alegria. Ah! E que doce sorriso enfeita o mundo quando se abre!

Uma fada encantada e encantadora! Quem disse que não existe fé e bondade?
É por que não conhece a força que move esse ser tão digno,tão forte, tão suave e meigo.
Quem disse que não existe anjo?
É porque ainda viu a face de um...que atende pelo

nome de um Mar: Marlene...





(Marlene é uma voluntária das causas nobres e essa homenagem é muito pouco para tudo que ela representa)


segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Julio Cortazar(escritor)






Obras
Apaixonantes.
Na vida,um apaixonado
Revolucionário
De uma ardente ternura
Entregue. A si mesmo... ao outro...
Preciso
Encantador
Profundo
Versátil
De um realismo fantástico:cortazariano.
Um cronópio.
Belga ou argentino? Ou ‘Alguien que anda por ahí’ ou mesmo um auto exilado francês?
Não importa.Fez-se universal.
Eterno.
Grande escritor: 'la fascinación de las palabras'...
Um escriba’ fiel à identidade latina: sempre em espanhol. Muito argentino, até morrer!
Verdadeiro:uma voz genuína que declamava textos e poemas para serem degustados como deliciosas balas sortidas, de sabores que podem ser sentidos direto no paladar do coração e que nos revelam que o importante não é compreender, mas sentir...






Obra de Marcelo Accarini


segunda-feira, 5 de setembro de 2011

PÃO de AÇÚCAR"








Quase despido de vegetação
O marco natural se veste de encanto
Bloco único,
Rochoso
Antigo
Mais de 600 milhões de anos contam sua história
E mesmo com parca vegetação é um poderoso símbolo da natureza
A seus pés São Sebastião do Rio de Janeiro.
Morro vivo.Vivo morro!
Cantado em prosa e verso
Eternizado por grandes como Debret, Rugendas e agora Accarini, que como um’bondinho’ passeia sobre ele de forma deliciosamente lúdica,o colorindo com cremosas cores, tornando-o doce como um Pão de Açúcar...






Obra de Marcelo Accarini



AQUARELA-BARCOS ILHA BELA"







Ouvem um chamado.
Recado das ondas.
É dela.
Perdidos de amor navegam num
mar de ondas cheias de ritmo e calor

De suaves e delicadas cores.

Finalmente quando chegam,a felicidade é total,pois são recebidos com paixão e acarinhados por ela, a Bela.Ilha Bela...








Obra de Marcelo Accarini
www.accarinifinearts.blogspot.com

AQUARELA-IGREJA em DIAMANTINA-MINAS GERAIS-BRASIL






Aquarela de uma
Igreja ou capela?
Tanto faz.
É bela
Por tabela.
É de Bonfim,Francisco, Carmo, Antonio, Mercês, Amparo?
Será da Luz ou do Coração de Jesus?
De Rosário?
Meu Deus que mistério!
Que jóia rara essa aquarela.
Rococó? Barroca?
Minha dúvida não é pouca.
Incrustada no anel mineiro
Guarda histórias...
Não só de diamantes!
De Chica. Escrava. Rainha!
Do contratador João Fernandes
E até de JK, um presidente!
Mas ficou na memória de uma menina
Que ‘arrancada’ da cidade, de repente se viu distante
Em outras paragens ela foi crescendo
Encorpou. Namorou. Casou.
E a história da igreja ou capela da aquarela ela contou
E hoje nesse momento de emoção, a neta da então menina
Escreve essas linhas como se fosse uma oração
A saudade da saudosa bate forte
Mas a aquarela isola a dor e a consola. Consola...












Obra do pintor Marcelo Accarini




AQUARELA-PRAIA do BONETE de UBATUBA-SÂO PAULO-BRASIL






O lugar paradisiaco faz o artista
desejar eternizar o local!
Assim,absolutamente fascinado, pinta o mar calmo com



limpidas e refrescante cores,que se não soubesse salgadas,



sorveria em pequenos goles
Com estudada técnica e paixão ele pinta sua aquarela.



Capta sua magia.
Encantado por tamanha beleza não deseja estar em outro lugar
Parece até que o tempo parou.



Por um momento se sente deliciosamente suspenso.



E se alguém perguntasse se o paraíso tem nome ele sussurraria:Bonete...









Obra do pintor Marcelo Accarini



terça-feira, 30 de agosto de 2011

Sonho




Em meus sonhos o vejo chegar.Inunda-me a alegria, a mais completa felicidade de sabê-lo por perto.Sem rodeios poder passear em ti. Descobrir lugares reconditos que possam te levar aos céus, provando de todas as formas de beijo, mas se cansado da lida, apenas agir como 'gueixa' e sem queixa descalçar seus sapatos, ajudá-lo a despir-se do pesado fardo das roupas,alimentá-lo com amor ou com 'arroz', mimá-lo tal como se fosse criança e embalá-lo como homem. meu homem. Suavemente. Nada exigindo. Só o assistindo. E se quiseres, pode contar como foi seu dia, as maçadas, as surpresas, as alegrias. Tudo enfim...
mas se quiseres calar-te, acatarei seu silêncio.E se adormeceres, ficarei velando seu sono,embevecida decorando seus contornos.Fecharei meus olhos e lançarei aos céus uma prece de agradecimento:o homem de meus sonhos está em meu sonho...

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Queimando...




Retrato do escritor israelense Amos Oz




Amós Oz
Pacifista.
Militante.
Israelense
Homem de letras.
Escritor:Palavras são ‘armas’ para promoção da paz
Para quem onde há vida há concessões
Para quem contar histórias é como ‘sonhar, é como fazer amor, é como o sexo, é como o alimento’.
Quem sabe um dia a pantera no porão sairá e se encontrará, de repente, nas profundezas do bosque
E na terra dos profetas
Terá que viver de amor e trevas
Carregar a marca da Oz(coragem) que
Um dia teve armas na mão
E nas linhas que compõem a sua obra, conflitos:
Dolorosos espinhos cravados na dignidade de povos
Pela guerra.
Pela violência constante
Pelo fanatismo tolo
Mas,ele fez um movimento que espera mudar o mecanismo da grande roda da vida: paz agora
Sim ele acredita: um dia a paz vai acontecer,pois não há outra alternativa









Obra do pintor Marcelo Accarini



domingo, 14 de agosto de 2011

O pintor volta a ser menino e com dedos ágeis pinta um barco.A vela. Com sua embarcação atravessa, destemido, um mar de sonhos coloridos. Percorre um longo caminho por esse mar de papelão. Magicamente a vela o vela e singrando ele vai. As águas sagradas e salgadas fazem com que, inevitavelmente,brotem doces sorrisos.
E assim ao sabor dos pincéis, que'voam' como remos livres, vai saboreando espumas de pura alegria, matando a sede de sua nostalgia lúdica.
Esquece de tudo que o acorrenta. Nada de cela. Só tela. Só vela. Só...
Nesse refúgio se entrega ao prazer
De ter o menos por mais.
Parabeniza-se intimamente por sua perseverança. Paciência de encontrá-las, a incomparável gratidão de ganhá-las.
Delicia-se com a liberdade de deixar a criança que nele existe dar asas à imaginação, correr atrás de suas preciosidades, valorizar o fantástico colecionismo que torna real os desejos da infância,recuperá-la,pois muitas vezes, perdida...
mas com cuidado maduro para não as ‘ferir’, pois mais que brinquedos são suas obras de arte.Se as magoarem a dor refletirá em si.
Descobre que nesse mar de miniaturas nenhum sentimento é pequeno, que o investimento também é emocional.Delicado. A satisfação é imensa...intensa.
E nesse ‘mar’ liliputiano ele mergulha profundamente. Não importa de onde vem o vento, pois a vela parece escolher um que é como uma terna caricia e que ao sabor desse morno e amoroso sopro o faz provar de tão ‘oceânica’ beleza
Começando um novo quadro”

Como um menino arteiro se deixa levar por sua sina
Um novo trabalho começa.
Risca traços passo a passo.
Com ou sem 'compasso'.
E no compasso de si mesmo mergulha fundo no mar de seus amores: luz e cores.
E sem perder o tom: tons.
Colore.
Com técnica.
Com o coração.
Com paixão
Com as talentosas mãos
E nesse mergulho profundo despe-se de fardos
Abstraído, ganha leveza
Desperta sensações
E indo cada vez mais fundo nesse mergulho, vê magicamente surgir uma nova obra
Diverte-se. Sente-feliz. Completo.
Ali é sua real casa que se casa com o que realmente o nutre e fortalece: ser um pintor...

"FÁBRICA da CERVEJA ANTÁRCTICA"-São Paulo-Brasil





O local, hoje esboço da obra que foi
Guarda histórias.
Quem por ali passa ainda pode sentir a grandeza, imaginar o burburinho. A efervescência. A movimentação...
E ao retratar tão importante cenário o artista resgata a alma
A vida, a emoção do lugar
que ajudou a eternizar no país do calor
os emblemáticos pingüins.
Mas o patrimônio, hoje histórico
Cumpriu sua vocação: quando o copo se encheu, derramou-se levando seus sabores por outras paragens.
Multiplicou-se. Internalizou. Ganhou o mundo
Deixando ali a ‘garrafa’. ‘Antarticamente’ tombada...

Obra de Marcelo Accarini
http://www.accarinifinearts.blogspot.com/

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Delirios

Sonho contigo. Dia e Noite.
Noite e dia.
E o sonho incontido invade a
madrugada com fome de ti...

domingo, 7 de agosto de 2011

Arar-te




Tens tão belas paisagens
que dá vontade de revolver-te a terra.
Arar-te
Semear sonhos misturados à realidade.
Regar esperança,amizade e carinhos.
E colher quem sabe frutos de amor, do seu amor...

Beija -Flor...
























Nada seria fácil para um beija-flor
Se não tirasse do tempo
Toda a graça de ser o que é Talvez, um inocente, ou quem sabe um errante beija-flor que escolheu a flor
Para nutrir-se de sua deliciosa essência
A que jardim pertence essa talentosa e curativa flor?
Nada sei. Não quero saber.
Só quero a beleza da flor, despetalá-la
Condená-la às minhas caricias
Mas não quero tristemente viver a dor em flor
Claro que não!
Quero a alegria oculta, desvendar os segredos de ser o que és: flor...
Não a arrancarei do alheio jardim
Pois a flor, a bela e desejada flor Virá, se assim desejar, receber desse beija-flor o que lhe é de direito: beijos de amor...






(Imagem de João Ferraz)

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Seu Mar...





Vou descobrindo que você é simplesmente aquilo que pinta em suas obras:
Belo.
Verdadeiro.
Único.
A felicidade,talvez, resida nesse pintar.
Nesse criar.
Mas não pense que a satisfação,o gozo é somente seu.
Uma obra,uma vez criada,pertence ao Universo.
Muitas vezes essa obra nos deixa com lágrimas nos olhos.
Com prenúncios de doces sorrisos
Com as mãos molhadas de seu Mar...
Essas obras sempre me fizeram sonhar
Com medo de me afogar em dor
Parei com o sonho
Não adiantou.
Coloquei os pés no chão
Mas você continuou aqui.
Continua aqui!
Dentro de mim como uma obra pintada com tintas eternas
Não tenho mais segredo e confesso: te amo.
Te adoro.
Meu rio não tem pressa.
Segue seu curso deslizando em correntezas de alegria.
Pra que tanta pressa se o meu rio
só quer saber de desaguar em seu mar, no seu Mar...



video

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Entre tantos



Saudade

de um

momento:

o que te vi...

quinta-feira, 28 de julho de 2011




O GRANDE CINEASTA PORTUGUÊS MANUEL DE OLIVEIRA


‘O espelho mágico’
Reflete
O cineasta
O Mestre.
Português.
Universal
‘Uma presença’
Secular
Reinventora
‘Sempre bela’
‘O princípio da incerteza':morrer pela pátria ou morrer pelo filme?
O filme é a pátria e a pátria é o filme!
Ambos absolutamente
Cinematograficamente.
Grandiosamente.
Deliciosamente
Manoel de Oliveira...




Obra de Marcelo Accarini


quarta-feira, 27 de julho de 2011

Mar...



Mar...

Tem certas pessoas que nos chegam como ondas em silêncio

e invadem deliciosamente nossa praia.

Ah! como é bom sentir o carinho das águas molhando nossos pés...
E envolvidos pelo contato que, embora salgado,pois enigmático,

nos enche de uma doce ternura, sentimos que ali podemos encontrar muito mais do que casuais conchas, podemos descobrir toda a rica beleza de suas profundezas, pois assim é o mar.

Assim é você: esse mar...como esse amar...

Barcos da Ilha Bela






Barcos da Ilha Bela

Para onde será que vai o barco assim sozinho
agora que se livrou da avariada vela?
Navega sem dores. Num mágico mar
Embalado, confortado e acarinhado por um doce balanço
Fortalecido
Carregando em seu convés o amor daqueles que o amaram
Mesmo quando estava afundando
Agora, finalmente livre das amarras do sofrimento
Encontra águas onde repousa feliz
Não mais sozinho encontra outros companheiros de outrora,
Joga sua âncora, pois ali é o seu lugar. Ali é seu paraíso e destino: viver num ‘céu’ coalhado de estrelas do mar, navegar eternamente nesse belo e doce mar como um dos barcos da Ilha Bela...
E nutrido por uma certeza,navega feliz,pois sabe que ali um dia avistará um barco amigo e irmão que,muitas vezes, foi sua proa e vice versa e vice versa...

(Inspirado na obra 'Barcos de Ilha Bela'de Marcelo accarini)





segunda-feira, 25 de julho de 2011

Um dia...










Um dia
Um dia ele vai me contar seu segredo
e eu serei, enfim, parte dele
Não quero secar lágrimas,quero vê-lo sorrindo, escancaradamente, ao meu lado, desbancando o habitual meio sorriso
Despreocupado,
Casualmente pintando
Um rosto,
Uma paisagem,
Despido da fachada construída em torno de si mesmo
Um dia o alto muro ruirá por terraE eu poderei enfim tocá-lo,
Entregar esse amor
Que por hora me enche de alegria
Um dia terei todas a respostas das perguntas que fiz
E poderei compreender seu doloroso silêncio
Poderei desvendar esse ser oculto
Que amo sem conhecer direito
Mas que conheço mais do que ele mesmo a essência
A sua linda essência
Sem me importar com convenções
Amo seus olhos
Amo sua boca
Suas palavras
Seu jeito de dizer 'meu coração'
Sua sensibilidade em flor
Sua inteligência
Sua beleza
Seu charme
Sua elegância
Seus talentos natosAmo de graça,pois amo sem saber porque
Talvez,por que ele me encanta em cada detalhe
Um dia,não sei quanto tempo,e não me importa,pois não irei a lugar algum sem tê-lo, ele vai conseguir atravessar esse imenso corredor que o bota tonto e cheio de dúvidas,pois parece interminável.
E eu,se ele quiser, estarei de braços abertos esperando para cobrar o que ele me deve: seus beijos todos...

domingo, 17 de julho de 2011

The end

Amo-teMentalmente.


Cinematograficamente.Ilusoriamente.
Realisticamente
Poeticamente
Mansamente
ViolentamenteSilenciosamente
Deliciosamenteeternamente
e a forma que não existir eu
invento!










Foto:João Ferraz

terça-feira, 12 de julho de 2011

Poeticamente...





Poeticamente...
A pior coisa do mundo é tentarmos explicar para uma pessoa porque razão a amamos. Acho isso tão sem graça. Amamos e pronto. Você não faz idéia do que é caminhar uma vida toda pensando que não tem um coração. Até você chegar...
Sinto-me fascinada por você. Estou num balanço onde sou catapultada cada vez mais para o alto, por que sei que é amor...
Confesso: não quero sair dessa história. Você tornou-se precioso demais. Não quero ser ‘pobre’ novamente. Não vou abdicar desse delicioso ser que é você.
A forma de demonstrar meu amor é assim: poeticamente... Poeticamente...

Capitão



Capitão

Em seu barco
Ele só quer a companhia de um bom cachimbo
Para degustar a solidão...









Obra de Marcelo Accarini

Capitão



Arrebatada por ondas de alegria
Ela navega livre
Nada a detém
Nem nevoeiro
Tempestade
Ou vento forte
A tudo enfrenta
A rota a seguir?
Não importa, desde que o capitão seja aquele que a lançou nas profundezas do mar do amor!

domingo, 10 de julho de 2011

Luz da esperança

Foto de João Ferraz Luz da Esperança

Todos temos sombras, ou lado obscuro.


Fica escondido numa de nossas personas.


Às vezes, esse lado denso quer escapar, mas que se auto- aprisiona quando temos arraigado em nós o medo de ousar e nos mostrar como somos.Queimar no fogo de nossa própria chama.
E vamos vivendo de maneira intrigante e inquietante.
Com a nossa verdade aprisionada na garganta sufocando o nosso
grito de liberdade.Nos esquecemos que só depende de nós abrir, nem que seja uma fresta, para deixar a luz da esperança entrar e nos banhar com sua divina claridade e nos lançarmos em busca de nossos sonhos...

quinta-feira, 7 de julho de 2011

Encantamento


Foto-João Ferraz



Encantamento

Chegou até mim de um jeito inusitado!
Conheci antes a bela obra. Encantei-me. De ‘prima’.
Quem seria o autor?
E quando conheci tão fascinante criatura
o encanto seguiu em mim o seu curso, pois que
a obra é ele e ele é a obra...

Não é mentira!



Ofereço-te as flores de minh'almaColhidas no jardim do bem querer

Não as dilacere se não for aprecía-las
Pois quando digo te adoro não é mentiraQuando digo te amo não é mentira,pois que tu és a minha verdade.

Não sugerida ou criada pela mente que muitas vezes mente,mas nascida do coração...sim,incontestavelmente, do coração...

sábado, 2 de julho de 2011

Estudo parcial para nu"




Sagrada
Semente!
Sente
Sentimentos
Submersos...
Suspiros
Saudades...
Soneto
Salvação...
Sanidade
Seriedade!
Simpática,
Sorri
Suavemente...
Sensível
Sonha...
Sólida.
Saborosa.
Senhora.
Simplesmente,
Soberanamente Sua...



(Obra do pintor Marcelo Accarini)